Thursday, March 11, 2010

"Bim Bom" - JazzTimes review

http://jazztimes.com/articles/25480-bim-bom-the-complete-jo-o-gilberto-songbook-ithamara-koorax-juarez-moreira

February 2010, page 74
Ithamara Koorax & Juarez Moreira
Bim Bom: The Complete João Gilberto Songbook (Motema Jazz)
By Christopher Loudon


Though guitarist and vocalist João Gilberto is acknowledged as the father of bossa nova, the song—“Chega de Saudade”—with which he ignited what would become a global bossa craze was created not by Gilberto, but by Antonio Carlos Jobim and Vinicius de Morares. On the flip side of Gilberto’s 1958 recording of “Chega de Saudade” was his own “Bim Bom” (inspired by a passing gaggle of washerwomen).

So it can be considered near-equally seminal—and it is with “Bim Bom” that vocalist Ithamara Koorax and guitarist Juarez Moreira open this first-ever complete collection of Gilberto’s compositions. They number a mere 11, written across two decades between the early ’50s and early ’70s. Yet together they capture a vital slice of Brazilian jazz history, defining a visionary genius who, as producer (and longtime intimate of the reclusive Gilberto) Arnaldo DeSouteiro notes, “inspired a complete revolution in Brazilian music, in terms of rhythm, melody and harmony.” Paying absolute respect to Gilberto, DeSouteiro was meticulous with regard to tempos and keys as he guided Koorax and Moreira through these 12 tracks (the 12th an English-language version of “Hô-Bá-Lá-Lá” crafted for Sylvia Telles in 1960).

Koorax, arguably Brazil’s finest contemporary jazz vocalist, and Moreira, a guitarist who can fairly be recognized as the João Gilberto of his generation, respond in kind. A better trio to pay such beautiful and integral homage to Gilberto could not likely be assembled. Bim Bom is not only an album of gloriously elegant reverence but also a recording of essential importance.

Ithamara Koorax - "Backstage" magazine

"Backstage" magazine
March 2010, page 31
"Por Aí..." - Gustavo Victorino

BIM BOM
Fui conferir o badalado disco da maior cantora brasileira, a irriquieta Ithamara Koorax. Escolhida anualmente como uma das três maiores cantoras de jazz do mundo pela DownBeat, a brasileira tem um público cativo nos quatro cantos do mundo, embora aqui a imprensa insista em ignorar seu sucesso. O trabalho recebeu críticas rasgadas no mundo inteiro e o New York Times o tratou como "genial". Como fã assumido da cantora, procurei despir-me da admiração e ouvir o disco com um tortuoso distanciamento crítico.
Desde a primeira faixa, o violão de Juarez Moreira funciona como um espetacular tapete para a irrepreensível voz da cantora. É quase cúmplice o desenrolar das 12 canções que compõem o trabalho, que revisita a obra de um dos nossos mais talentosos artistas. "The complete João Gilberto songbook" é um disco aula. Uma aula de como fazer música minimalista e intimista com competência e sensibilidade. E o New York Times tem razão...É genial!

Koorax - European Tour, February/March 2010



"Bim Bom" - ON-Top Audio review (France)



Musique > CD > Jazz > Ithamara Koorax - Juarez Moreira : Bim Bom
Ithamara Koorax - Juarez Moreira : Bim Bom
Publié par Michel Bedin le 4/3/2010 (13 lus)

Ithamara Koorax - Juarez Moreira
Bim Bom
Durée : 41’ 22’’
Jazz Therapy MTM 30
(www.motema.com)

Notation: ****

Ce CD, sous-titré The Complete Joao Gilberto Songbook, reprend, c’est vrai toutes les compositions du Pape de la bossa nova. Il est vrai qu’il fut surtout un interprète remarquable de ce genre, greffon étonnant du jazz sur une musique populaire étrangère aux Etats-unis, à l’instar du swing manouche pour la France. Pour chanter la bossa nova, mélange de sensualité subtile et de décontraction gentille, de séduction charmeuse et de j’menfoutisme militant et contagieux, la chanteuse Ithamara Koorax, troisième meilleure chanteuse de jazz 2008 du monde, pour les lecteurs de Down Beat, juste après Diana Krall et Cassandra Wilson a choisi de se faire accompagner uniquement par un guitariste, Juarez Moreira. C’est ce qu’aime la bossa nova, une musique hypersophistiquée, avec des accords incroyablement compliqués et une économie de moyens ascétique. La voix d’Ithamara, remarquablement pure, est encore plus touchante et impressionnante dans ce contexte. Elle et son complice se jouent des difficultés avec une apparente facilité, comme toujours avec les grands. Tout semble naturel tant c’est beau.
- texte de Michel Bedin

"Bim Bom" - All About Jazz review by Chris Slawecki

"Seven Steps to Soul"
by Chris M. Slawecki (Senior Editor, All About Jazz)

Ithamara Koorax & Juarez Moreira
"Bim Bom: The Complete Joao Gilberto Songbook" (Motema Music)

The recently departed 2009 was heralded as the fiftieth anniversary of such landmark jazz albums as Kind of Blue and Time Out. But the 50th anniversary of the debut album by one of Brazil's most famous and enduring composers, Joao Gilberto—Chega de Saudade, which announced the birth of bossa nova to a world in aching need of its brightness and warmth—was more quietly celebrated. In Gilberto's honor, top contemporary Brazilian vocalist Ithamara Koorax teams with top contemporary Brazilian guitarist Juarez Moreira for the first recording of all Gilberto's compositions under one cover, an intimate "live in the studio" performance produced by Arnaldo DeSouteiro, one of the reclusive composer's closest confidants.

The smallness of the duet format heightens the delicacy, intimacy and romance of these gorgeous compositions and the many moods they invoke. In the musical company of only one companion, Koorax fully explores every brassy edge, percussive jolt, and mysterious whisper in her voice, and gives Moreira the chance to sing with her through his guitar. In the ballad "Ho-Ba-La-La" and the title track, they twirl and intertwine together like lovers locked in embrace.

They saunter carefree through sunny "Acapulco," where Moreira stretches out an electric solo that sounds like Pat Metheny vacationing on a Mexican beach; in "Glass Beads," Koorax bubbles out her voice into flawless crystal spheres, strung together by Moreira's guitar. Moreira extends "An Embrace to Bonfa" as an acoustic guitar solo, with strumming that makes those strings seem to sing, while Koorax finds her spotlight in "Valsa (Bebel)," a wordless vocal that floats and bounces warm and soft.

Their mutual journey through "Forgotten Places" reveals that elusive, nearly perfect combination of composition, arrangement, and performance.

Bim Bom is the second release in Motema Music's "Jazz Therapy" series. Its proceeds benefit the Dizzy Gillespie Memorial Fund of Englewood Hospital & Medical Center, which partners with the Jazz Foundation of America to provide free medical care to musicians who need it.
********
Bim Bom: The Complete Joao Gilberto Songbook
musicians: Juarez Moreira: acoustic guitars, electric guitars; Ithamara Koorax: vocals; Arnaldo DeSouteiro: producer, arranger
song titles: Bim Bom; Ho-Ba-La-La; Forgotten Places; Minha Suadade; Voce Esteve Con Meu Bem?; Valsa (Bebel); An Embrace to Bonfá; Glass Beads; Joao Marcelo; Undiu; Acapulco; Ho-Ba-La-La (English lyrics).

- Chris M. Slawecki has been published in music industry and related publications for nearly 25 years and has served AllAboutJazz.com as Senior Editor since 1997.

Monday, March 8, 2010

"Bim Bom" - Swing2Bop review

http://www.swing2bop.com/reviews.html#141

Ithamara Koorax & Juarez Moreira Bim Bom (Jazz Therapy MTM 30)
For this duo set, Ithamara is joined by guitarist Juarez Moreira for a delightful exploration of the musical world of João Gilberto. A key figure in the development of Brazilian music into a world force, Gilberto was also significantly important in the making of the bossa nova movement that has so captivated the world during the past half century. On this album. Ithamara and Juarez present all of Gilberto's songs, the first time it is believed that all this music has been presented in one place. Among these songs are some that have been recorded often, such as 'Hô-Bá-Lá-Lá' and 'An Embrace To Bonfá (Um Abraço No Bonfá)', and those that are rarely heard, including 'Glass Beads (No Coreto)' and 'Valsa (Bebel)'. These songs and others are lovingly interpreted by Ithamara and Juarez and their respect and dedication is plain to hear. A very attractive album and one that should have a very wide appeal to those who love good music beautifully performed.

Other Ithamara's CDs reviewed by Bruce Crowther for the "Swing2Bop" website:

Ithamara Koorax Autumn In New York (Huks Music EKLD 0473)

Hugely popular in Brazil, over the past few years Ithamara has made a considerable impression elsewhere, especially in the USA where Ithamara has placed well in polls, especially in the Down Beat Readers Poll as Best Female Jazz Singer. In 2003 her CD, Love Dance, was fifth in the same pollsters' Best Beyond Album category. Other CDs by Ithamara range through contemporary pop and predominantly popular Brazilian music (for some of which, see below) but with Autumn In New York, she is very much in a jazz mood. Here, Ithamara swings elegantly through a long and always interesting set of mainly standards, backed by the tight-knit trio of Jurgen Friedrich, piano, Sergio Barroso, bass, and Cesar Machado, drums. Eloquent interpretation of the lyrics and inventive improvisations all add to this being a CD that is deserving of the praise it has received in other quarters. (Buy this now ...)

Ithamara Koorax Sings The Luiz Bonfá Songbook (King KICP 503)
Ithamara Koorax Serenade In Blue (Milestone MBL 6002 9301)
Ithamara Koorax Love Dance: The Ballad Collection (Som Livre 3126 2)

On these three earlier CDs, Ithamara is much closer to her Brazilian roots, yet throughout there is evidence of the jazz singer then in-waiting. Her wide-ranging voice allows her to achieve with seeming effortlessness sinuous readings of songs that in less distinguished hands would become mere exercises in technique. Ithamara is far too good and experienced to fall into that trap and all of her interpretations are rewarding. Her interpretations of lyrics are admirable and she sings well not only in her native Portuguese but also occasionally in French and often in English. Of these three CDs, the Luiz Bonfá set is an eloquent exploration of one of the best known South American songwriters. Ithamara's love for his music is evident throughout and she is joined by many other musicians, including Eumir Deodato, Larry Coryell, Ron Carter and Sadao Watanabe. With Serenade In Blue, Ithamara moves confidently towards the jazz genre, which she fully and so successfully embraces with Autumn In New York; this is not to downplay the many attractions to be found on Love Dance whereon she is equally as elegant and eloquent in her interpretations of a largely non-jazz repertoire. She can also be heard with Gazzara, listed above, and on one of Thiago De Mello's CDs, listed below in the Braziliana section. In whatever mood, Ithamara is a singer to savour. (Buy these now ...)

Ithamara Koorax Brazilian Butterfly (Irma IRM 830 CD)
Ithamara Koorax Obrigado: Dom Um Romao (TCB 27702)

For Brazilian Butterfly, Ithamara has surrounded herself with some outstanding instrumentalists, including pianist Gonzalo Rubalcaba, organist Francesco Gazzara, trombonist Raul de Souza, and a remarkable team of percussionists: Dom Um Romao, Eloir de Moraes, Thiago de Mello, Laudir de Oliveira, Marcelo Slazar, Sidinho Moreira and Jadir de Castro. Warm and exciting, this is a superb example of Brazilian music at its very best. Vocally and instrumentally, this is flawless; the song selection is excellent, including as it does Milton Nascimento's 'Escravos de Jo', Herbie Hancock's 'Butterfly' and Geraldo Vandre's 'Fica Mal Com Deus'. This packed CD (79 minutes) is filled with exceptional musical moments and although it is virtually impossible to choose one track over all the others, the scorching improvised vocal line on Romao's 'Amor Em Jacuma' demands repeated playing.

With Obrigado Ithamara memorably sets out a tale of what might have been. A European tour on which Ithamara was to have worked with Dom Um Romao and the Peter Schärli Trio. When news came of Romao's death, it was decided that the tour should go ahead but that no attempt would be made to replace Romao's remarkable talent. It was during this tour that these pieces were recorded by Radio Station, Zürich, and the result is some exceptionally fine playing and singing. Peter is an inventive trumpet player with a softly burning tone. His instrumental accompanists here are guitarist Markus Stalder and bassist Thomas Dürst and all acquit themselves very well indeed. Ithamara's singing here, while leaning slightly towards the mainstream that she tackled so well on Autumn In New York, always maintains that subtle feel for the music of South America. Altogether, this is an admirable set. To add icing to the cake, one track, Manha de Carnaval, is a berimbao solo Romao recorded in the late 1990s over which Peter has dubbed a moving trumpet solo. A fine remembrance for a gifted and much-missed musician. (Buy these now ...)

"Bim Bom" reviewed by Chris Conway

http://www.btinternet.com/~unclechristo/hotnews.html

chums with new albums dept
posted by Chris Conway
Ithamara Koorax & Juarez Moreira:
"Bim Bom - The Complete Joao Gilberto Songbook"

Those who were delighted by Ithamara Koorax's vocal performance on my song The Answer on my Chocolate Bossa album will surely enjoy her new album with master guitarist Juarez Moreira as they perform a wonderful set of Joao Gilberto's songs - really great relaxed set, stunningly recorded - bossa at its best from the top Brazilian jazz diva.

check out the Jazz Times review here

Thursday, February 18, 2010

Koorax - interview for "Papo Em Comunidade"

http://comunipapo.blogspot.com/

Interview to Patricia Ingo Tendrich, on February 8, 2010, to be posted in the "Papo Em Comunidade" blog.

Shalom!
Uma voz surpreendente que conquistou o mundo!Com vocês, no Papo de hoje, Ithamara Koorax!

Q: Olá Ithamara, bem vinda ao Papo em Comunidade!
Cantora consagrada, você recebeu prêmios lá fora, saiu em capas de revistas, foi reverenciada. Como se deu a construção da sua carreira?


IK: A carreira não foi "construida", ela simplesmente foi acontecendo da forma mais natural e espontânea possível. E até demorou a começar, porque só decidi me tornar cantora profissional em 1990, quando me separei. Até então era "dona de casa", embora sempre apaixonada por música. E isso eu devo à minha família, porque minha mãe era cantora lírica e meu pai adorava jazz. Eles vieram da Polônia, fugindo da Segunda Guerra. Tive quatro tios, por parte de pai, que foram assassinados em campo de concentração. Ele foi o único que conseguiu escapar, e aí conheceu a minha mãe em São Paulo, onde se casaram. Depois foram morar em Niterói, onde nasci e comecei, aos quatro anos, os estudos de música. Aos 12 eu já estava formada em piano, teoria e solfejo. Hoje, quando vejo a dimensão internacional que a minha carreira tomou, chego a tomar um susto. Me sinto abençoada porque jamais sonhei que pudesse alcançar uma fama mundial. Isso só me faz continuar estudando cada vez mais, não apenas porque o reconhecimento gera uma "cobrança", mas também porque preciso fazer jus aos que me apoiaram e apostaram em mim.

Q: O que você ouvia quando criança que a fez despertar o interesse pela música?

IK: Ouvia muita música clássica, principalmente ópera, junto com jazz e MPB. Adorava Elizeth Cardoso, Tom Jobim, João Gilberto, Chico Buarque, Stellinha Egg, Vanja Orico, Elis Regina, Simone, João Donato, Hermeto Pascoal. Na área do jazz eu ouvia muito Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan, Flora Purim, Chet Baker, Miles Davis, além de cantores como Tony Bennett, Frank Sinatra, Barbra Streisand. E ainda era apaixonada por um grupo de rock chamado Blood, Sweat & Tears. Coincidentemente ou não, mais tarde Elizeth Cardoso se tornaria minha madrinha artística, Tom Jobim gravaria comigo e, agora, acabo de lançar um disco em homenagem a João Gilberto. Fora isso, toquei e gravei com muitos ídolos como Hermeto, Donato, Luiz Bonfá, Dave Brubeck, Claus Ogerman, John McLaughlin, Gonzalo Rubalcaba, Marcos Valle, Dom Um Romão, Mario Castro-Neves e Eumir Deodato.

Q: Sua técnica é única, e sempre elogiada pelos críticos, principalmente pelos agudos. Você é autodidata ou cursou alguma escola?

IK: Além dos estudos de canto, piano e teoria musical durante a infância e a adolescência, até hoje eu continuo fazendo aula de técnica vocal, três vezes por semana. Faço muitos shows, praticamente posso dizer que moro em avião, então eu preciso estar em forma. É como um jogador de futebol ou qualquer outro desportista. Não existe craque se não houver disciplina. E estou sempre fazendo ginástica também, inclusive girotônica e natação.

Q: O CD “Serenade in Blue” foi a porta de entrada nos EUA. Conte para nós como foi.

IK: Em 1994, eu já tinha ganho prêmios importantes no Brasil, como o da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) e o Prêmio Sharp, que na época era uma espécie de Grammy brasileiro. Havia também gravado músicas para várias trilhas de novelas da TV Globo, lançado um disco aclamado pela crítica e realizado três excursões pelo Japão. Comecei a sentir que o mercado brasileiro estava muito ruim, dominado pelo pagode e pela falsa música sertaneja. As propostas das gravadoras eram péssimas, até axé queriam que eu gravasse. Ao mesmo tempo, começaram as viagens para a Europa, especialmente para Londres, onde travei contato com hip-hop, acid-jazz, drum & bass, e vi que havia um campo muito bom se abrindo para mim. O coroamento veio em 1998, com uma temporada triunfal ao lado do baterista Dom Um Romão no clube Jazz Café, de Londres, e o lançamento do CD "Bossa Nova Meets Drum & Bass". Mas eu permanecia desconhecida nos EUA, nunca havia sido sequer citada pelas revistas de lá. Até que o selo Milestone me ofereceu um contrato e lançamos o "Serenade in Blue" que me abriu as portas do mercado norte-americano em 2000, porque tinha várias músicas cantadas em inglês que tocaram muito nas rádios. Desde então os EUA se tornaram minha base artística.

Q: Quais são as suas cantoras ou cantores prediletos? (no Brasil e no mundo)

IK: Além dos que eu já citei, ouço muito Shirley Horn, Betty Carter, Diana Krall, Cassandra Wilson, Chaka Khan. Mas aprendo muito ouvindo instrumentistas, principalmente guitarristas e trompetistas, que influenciaram meu fraseado. Sem falar que minha divisão rítmica foi totalmente desenvolvida a partir do que aprendi ouvindo Dom Um Romão, Airto Moreira, Billy Cobham e Steve Gadd.

Q: Você foi eleita a terceira melhor cantora de jazz no mundo pela revista DownBeat. Como é estar ao lado de Norah Jones, Jane Monheit, entre outras, sendo uma brasileira?

IK: Pelo segundo ano consecutivo, fui eleita a terceira melhor cantora na votação dos leitores da DownBeat em 2008 e 2009, atrás apenas de Diana Krall e Cassandra Wilson, que são imbatíveis. Mas desde o lançamento do "Serenade in Blue", em 2000, eu fico entre as dez melhores não apenas na DownBeat, como também em outras revistas na Europa e na Ásia. Claro que é uma grande honra e eu fico muito feliz. Mas comemoro somente no dia em que recebo a notícia. Depois trato logo de esquecer, porque não posso ficar me preocupando com prêmios. Não faço discos para agradar a crítica. Para mim, o importante é agradar a mim e ao público. Se a crítica gosta, ótimo. O novo CD, "Bim Bom", está sendo elogiadíssimo no exterior, foi destaque até no New York Times! Então é óbvio que isso me alegra. Mas não ocupa os meus pensamentos por muito tempo. Música não é competição, é criação. A Norah Jones e a Jane Monheit, por exemplo, sofreram muita pressão, fizeram discos ruins e perderam público. Em 2009 nem apareceram na lista da DownBeat.

Q: Falando nisto, como você vê o público brasileiro? Você acredita ser mais internacional do que brasileira?

IK: Amo o público brasileiro e sou muito bem recebida aqui também. Acabei de fazer uma temporada de cinco semanas, em janeiro, no "Bar do Tom", no Rio, com casa lotada. Em abril estarei de volta para shows em Brasília, Curitiba e São Paulo. Porém, eu vejo o Brasil hoje em dia como uma parte do mundo. Fora a questão sentimental, é um país como qualquer outro. Sigo aquela máxima do Milton Nascimento: "o artista tem que ir aonde o povo está". No meu caso, o povo, que é o meu público, está no Brasil e também nos EUA, na Inglaterra, França, Alemanha, Finlândia, Japão, Coréia etc. Na terceira excursão européia que realizei em 2009, estive pela primeira vez em países como Sérvia e Bulgária, e fui tratada como rainha, participei de festivais de jazz fantásticos ao lado de nomes como Joe Lovano, Terence Blanchard, Kurt Elling e Anat Cohen, por sinal uma clarinetista israelense fantástica, sempre premiada na DownBeat, e que foi assistir o meu show em Belgrado. Esta semana viajo para uma nova turnê de 26 shows que irá começar pela Suiça. Mas ainda tenho muitos sonhos, claro. Entre eles, cantar em Israel e na Polônia.

Q: Como é transitar pelo jazz e mpb, mas sendo considerada uma cantora de jazz?

IK: Aprendi com o Hermeto Pascoal que a música não tem fronteiras, ela é universal. Por isso tenho horror a rótulos, embora viva sendo rotulada. Este carimbo de "cantora de jazz" se espalhou pelo mundo mas começou no Japão, porque achavam meu fraseado muito sofisticado para ser classificado como MPB. Mas eu canto todos os gêneros. Nos repertórios dos meus shows convivem Miles Davis, Michael Jackson, Lulu Santos, João Gilberto, Geraldo Vandré, e não fica aquela salada de cantora eclética, não. Porque todas as músicas são recriadas de acordo com a minha concepção estética, ganham a minha "cara". Os meus fãs não vão aos shows preocupados com o que irão ouvir. Eles sabem que tudo terá o "estilo Ithamara Koorax".

Q: Você acredita que gravadora ainda é importante para um artista?

IK: Claro! Nem que seja apenas para cuidar da distribuição e promoção do disco.

Q: Conte para nós um momento inesquecível.

IK: Foram vários... O dia em que fiz meu primeiro show como cantora profissional, em janeiro de 1990, no Rio Jazz Club. As gravações com Elizeth, Tom Jobim, Luiz Bonfá, Ron Carter e Sadao Watanabe. Os shows com Edu Lobo, João Donato e Hermeto Pascoal. Um concerto ao ar livre para quatro mil pessoas no Festival de Jazz de Seul, na Coréia, em 2006, em que fui ovacionada por uns cinco minutos, não me deixaram sair do palco e acabei cantando por quase duas horas. Os concertos com as orquestras sinfônicas Petrobrás e Jazz Sinfônica. Como diz o Roberto Carlos, "são tantas emoções"...(risos)

Q: Ithamara, obrigada por sua entrevista e deixe aqui o seu recado!

IK: A vida é um eterno aprendizado. Me sinto ainda uma iniciante, com fome de informação musical. E quanto mais eu aprendo, mais vejo que nada sei. E sigo procurando me aprimorar, desenvolver novas habilidades. Tudo isso num mundo sem fronteiras, como uma cidadã do universo com grande respeito por todos os povos. Esse é o grande barato da minha vida.

"Bim Bom" - Backstage review

"Backstage" magazine
February 2010
"Play-Rec" column, page 22
Review by Alexandre Coelho


"Bim Bom - The Complete João Gilberto Songbook" / Ithamara Koorax & Juarez Moreira

"Bim Bom" é uma reunião de talentos tão raros que só poderia resultar em um álbum excepcional. O repertório explora (e foge ao óbvio) a obra de ninguém menos que João Gilberto, um dos maiores compositores e intérpretes do mundo. O violão de Juarez Moreira presta tributo a um dos mentores da bossa nova sem deixar de lado sua própria identidade. A voz de Ithamara Koorax, inteiramente à vontade ao passear pelo gênero, justifica porque é uma das mais celebradas pelos amantes do jazz mundo afora: trata-se de um registro completo. É técnica, límpida, extremamente afinada, com emissão impecável e muita sensibilidade a cada interpretação. De quebra, a produção fica a cargo do experiente Arnaldo DeSouteiro que, sem firulas, extrai o melhor de cada nota.

Friday, January 29, 2010

Estadão - "Pérolas da autoria de João Gilberto"

Pérolas da autoria de João Gilberto
Ithamara Koorax e Juarez Moreira reúnem pela primeira vez num único álbum todas as composições do papa da bossa nova


27 de janeiro de 2010, página D6
Lauro Lisboa Garcia - O Estadao de S.Paulo
A VOZ E O VIOLÃO -

Legenda da foto (de Marcos Arcoverde/Agência Estado): "Primoroso trabalho da dupla recebeu elogios rasgados da imprensa especializada no exterior: "Bim Bom tá bombando!"

Ao deparar com o belo Bim Bom - The Complete João Gilberto Songbook, da cantora Ithamara Koorax com o violonista e guitarrista Juarez Moreira, é inevitável se perguntar por que ninguém pensou nisso antes: reunir num só álbum todas as (poucas e boas) 11 composições do papa da bossa nova. Produzido por Arnaldo DeSouteiro, o CD foi gravado em 2008 no Rio, concluído e lançado em outubro de 2009 no exterior. Como não há previsão de sair no Brasil, vale a pena comprar o importado, que está à venda no site www.amazon.com, a partir de US$ 10,60.

Brasileira com prestigiada carreira internacional, mais do que no país de origem, Ithamara diz que "depois de ter trabalhado com gênios como Tom Jobim, Luiz Bonfá, Hermeto Pascoal e João Donato" só faltava se dedicar à obra autoral de João Gilberto. "Não fazendo uma imitação, como tantos e tantas já fizeram, do jeito dele cantar. Mas trazendo à tona a sua criação como compositor, que acabou relegada a segundo plano. Injustamente. Porque, ouvindo uma música como Bim Bom, gravada por ele em 1958, como lado B do 78 rotações que tinha Chega de Saudade, você saca que a estética da bossa nova já estava inteirinha ali."

Para ela, "se a cabeça do João não funcionasse na base do Bim Bom, não teria existido a concepção que ele aplicou às músicas do Tom. Ou seja, não teria existido a bossa nova. Pelo menos não do jeito que a concepção estética do João Gilberto a moldou", explica. "Existe alguma outra lenda viva na música brasileira?", indaga a cantora, na longa entrevista concedida por e-mail ao Estado. Ithamara está em cartaz no Rio, apresentando esse repertório no Bar do Tom (Rua Adalberto Ferreira, 32, Leblon, tel. 21 2274-4022). Os dois últimos shows são sexta e sábado.

Ela diz que tinha vontade de realizar este projeto há muitos anos, mas "foi sendo atropelado por outros". "Canto Hô-Ba-Lá-Lá desde o meu primeiro show como cantora profissional, em 1990, no Rio Jazz Club. Na época, o arranjo era do Paulo Malaguti, meu pianista no início de carreira. Durante esse tempo todo, é claro que o arranjo foi se transmutando, já devo ter cantado esta música de umas 20 maneiras diferentes. E gravei de um jeito diferente do modo como canto atualmente nos shows. Isto é exercer a criatividade, isto é jazz!", diz a cantora.

Juarez já tinha assistindo a um show de Ithamara em 2005 e foi ter com ela depois para elogiá-la. A cantora, por sua vez, já conhecia os discos dele e "sabia que era o violonista mais indicado para gravar este songbook". "Não apenas pela altíssima qualidade dele como músico - o único, no Brasil, que segue a linha de Bonfá e Laurindo, e está no mesmo nível deles -, mas principalmente porque eu soube, através do meu produtor Arnaldo DeSouteiro, que ele era apaixonado pelo João, tocava de cor todas as obras deles. Era fundamental ter, como parceiro, alguém com esse grau de "commitment", de "comprometimento emocional" com o projeto."

Os dois gravaram tudo em dois dias no EG Studios, no Rio, "ao vivo", como se estivessem fazendo um show. "Não houve overdub de voz nem remendo de violão. Os únicos overdubs aconteceram nas músicas em que decidimos usar dois violões ou somar um violão e uma guitarra", afirma a cantora. "Resultou num trabalho muito espontâneo, que vem sendo unanimemente aclamado, com ótimas resenhas no New York Times, na Billboard, na Jazz Times de janeiro, 5 estrelas na Cashbox, enfim, o Bim Bom tá bombando!", festeja.

No encarte do CD, há comentários sobre cada faixa, não só com referências históricas sobre cada tema, mas com um ou outro dado sobre as novas gravações. Clássico pioneiro da bossa nova, Bim Bom é o ponto de partida do CD, mas a primeira composição gravada de João foi Você Esteve com Meu Bem?, por Marisa Gata Mansa em 1953. Outra das mais conhecidas é Hô-Bá-Lá-Lá, que aqui aparece em duas versões, uma delas com letra em inglês, de Aloysio de Oliveira. Minha Saudade (uma das três parcerias com Donato), ela já havia gravado duas vezes, nos CDs Wave 2001 (1996) e Bossa Nova Meets Drum & Bass (1998).

Alternando canções e temas instrumentais, como Um Abraço no Bonfá (solo de Juarez), Ithamara faz vocalises em outras que não têm letra, como Undiú, Valsa (Bebel) e a rara Glass Beads (No Coreto), gravada antes uma única vez por Donato em 1965. A cantora diz que os caminhos harmônicos vieram naturalmente trazidos ou sugeridos por Juarez, "que é um craque". "Em algumas músicas ele se aproximou bastante das gravações do João, no caso das músicas que ele (João) chegou a gravar. Em outras, como as três parcerias com o Donato, o Juarez reprocessou tudo à maneira dele, fez um trabalho genial. A performance dele em Minha Saudade é uma aula de violão!"

A única interpretação que ela diz ter premeditado foi a de Forgotten Places (Coisas Distantes). "Fiquei imaginando como Shirley Horn a cantaria. Por isso, gravamos num andamento bem lento, que me permite saborear cada sílaba", diz a cantora, que está gravando dois novos álbuns simultaneamente, um em Los Angeles, outro em Nova York. "Mas ambos são projetos secretos, como foi o Bim Bom."

VIRTUOSE SIM, MALABARISTA NÃO

ESSENCIAL: Para Ithamara, maior desafio de gravar o álbum foi, como João Gilberto na essência, "fazer o difícil parecer simples, fácil; fazer o que é complexo soar descomplicado, natural. Não bastasse isso, ainda é preciso ser sutil, cantar suavemente, freasear de forma criativa, lidar com alterações rítmicas e sincopado, tudo isso ao mesmo tempo numa fração de segundos. Nem dá tempo de raciocinar. Ou você sabe fazer ou não."

Ela que se derreteu com o elogio de um crítico da DownBeat, que a chamou de "brazilian butterfly" (borboleta brasileira) e disse que ela é "sempre deliciosamente imprevisível", por outro lado alfineta alguns conterrâneos. "Os críticos brasileiros mais limitados adoram dizer que faço malabarismos vocais. Não há afirmação alguma mais equivocada. Paganini, Liszt, Oscar Peterson não eram malabaristas, eram virtuoses. Chick Corea, John McLaughlin, Michel Camilo e Paco de Lucia são virtuoses, não são malabaristas. Pelé, Garrincha, Ronaldinho são virtuoses. O malabarista fica no circo ou no sinal de trânsito", compara. "Sou uma virtuose. Se sustento uma nota agudíssima por longo tempo, se emendo frases sem respirar por mais de um minuto, é porque tenho técnica", defende-se.

"Não preciso fazer esforço para isso. É uma coisa natural. Se precisasse me esforçar e quisesse atrair atenção pela excentricidade, poderia ser chamada de exibicionista. Mas faço isso porque eu sei. Não tenho culpa de ter estudado e continuar estudando, não tenho culpa de ser CDF aplicada. Não tenho culpa do que está na moda no Brasil é justamente não saber cantar ou não ter voz. Exibicionista, pra mim, é cantora que fica coçando saco no palco, cuspindo no público ou se jogando do palco em cima da platéia. Mas isso a mídia acha "muderno"... "
- Lauro Lisboa Garcia
*********
Versão integral da entrevista:

1. Bem, muita coisa que eu gostaria de saber já está esclarecida no encarte do CD, mas de qualquer forma é curioso por que ninguém pensou nisso antes - reunir as composições de João Gilberto num só álbum? Quando você tomou a decisão? E quando se decidiu imaginou o projeto já para ser com o violão de Juarez?

IK: Existe alguma outra lenda-viva na música brasileira? Depois de ter trabalhado com gênios como Tom Jobim, Luiz Bonfá, Hermeto Pascoal e João Donato, só faltava me dedicar à obra autoral do João Gilberto. Não fazendo uma imitação, como tantos e tantas já fizeram, do jeito dele cantar. Mas trazendo à tona a sua criação como compositor, que acabou relegada à segundo plano. Injustamente. Porque, ouvindo uma música como "Bim Bom", gravada por ele em 1958, como lado B do 78 rotações que tinha "Chega de Saudade", você saca que a estética da bossa nova já estava inteirinha ali. "Chega de Saudade" era avançada para aquela época, chocou todo mundo. Mas o minimalismo de "Bim Bom" ainda era muito mais avançado, muita gente preferiu fingir que não tinha ouvido, porque realmente não conseguiu entender. Tem gente que não entendeu até hoje...(risos) Se a cabeça do João não funcionasse na base do "Bim Bom", não teria existido a concepção que ele aplicou às músicas do Tom. Ou seja, não teria existido a bossa nova. Pelo menos não do jeito que a concepção estética do João Gilberto a moldou.

Conheci João Gilberto através de "Canção do Amor Demais", de Elizeth Cardoso. Meus pais adoravam o disco e eu cresci ouvindo aquelas músicas. Conheço de cor todos os arranjos do Tom Jobim. Por sincronicidade, quando iniciei minha carreira profissional, em 1990, Elizeth se tornou minha madrinha artística. Depois o Tom gravou comigo em 1994. E agora eu celebro meus 20 anos de carreira reverenciando o João!

Tinha vontade de realizar este projeto há muitos anos, mas ele foi sendo atropelado por outros. Eu canto "Hoba-lá-lá" desde o meu primeiro show como cantora profissional, em 1990, no Rio Jazz Club. Na época, o arranjo do "Hoba-lá-lá" era do Paulo Malaguti, meu pianista no início de carreira. Durante esse tempo todo, é claro que o arranjo foi se transmutando, já devo ter cantado esta música de umas vinte maneiras diferentes. E gravei de um jeito diferente do modo como canto atualmemente nos shows. Isto é exercer a criatividade, isto é jazz! "Minha Saudade" eu já tinha gravado duas vezes, nos CDs "Wave 2001" (1996) e "Bossa Nova Meets Drum & Bass" (1998). Além disso, no CD "Obrigado Dom Um Romão", que gravei na Suiça em 2008 e também foi lançado mundialmente, menos no Brasil, gravei várias músicas do repertório do João, inclusive "Aos Pés da Cruz" e "Estate", com uma letra em português feita especialmente para mim pela escritora e novelista Anamaria Moretzsohn.

Juarez já tinha assistindo a um show meu em 2005 e veio me elogiar depois. Eu já conhecia os discos dele e sabia que era o violonista mais indicado para gravar este songbook. Não apenas pela altíssima qualidade dele como músico - o único, no Brasil, que segue a linha de Bonfá e Laurindo, e está no mesmo nível deles - mas principalmente porque eu soube, através do meu produtor Arnaldo DeSouteiro, que ele era apaixonado pelo João, tocava de cor todas as obras deles. Era fundamental ter, como parceiro, alguém com esse grau de "commitment", de "comprometimento emocional" com o projeto. Eu e o Juarez gravamos tudo em dois dias, "ao vivo" no estúdio, como se estivéssemos fazendo um show. Não houve overdub de voz nem remendo de violão. Os únicos overdubs aconteceram nas músicas em que decidimos usar dois violões ou somar um violão e uma guitarra. Resultou num trabalho muito espontâneo, que foi lançado dia 18 de outubro no exterior e vem sendo unanimemente aclamado, com ótimas resenhas no New York Times, na Billboard, na JazzTimes de janeiro, 5 estrelas na Cashbox, enfim, o "Bim Bom" tá bombando!

E eu adoro trabalhar com guitarristas! Larry Coryell tocou junto com o Bonfá no "Almost in Love" e arrasou. A gente se ama. Mas no "Serenade in Blue" eu chamei o Jay Berliner, que eu cresci ouvindo em discos do Charles Mingus e do Milt Jackson, então eu tinha o sonho de tocar com ele. No "Love Dance" o McLaughlin era o cara certo, e ele botou pra foder, fez na música "Man Alone", que dura dez minutos, uma das performances mais geniais que eu já ouvi em toda a minha vida, entrelaçando a guitarra com a minha voz. No "Wave 2001" eu gravei com os cinco melhores guitarristas do Japão. Agora gravei com o Juarez Moreira no "Bim Bom" e tenho excursionado pela Europa com uma nova fera na minha banda, o Rodrigo Lima, que toca violão e guitarra. Então eu adoro essa troca, essa diversão, porque tenho horror à monotonia. O maior elogio que eu já recebi foi de um crítico da DownBeat que começou a resenha sobre o "Brazilian Butterfly" dizendo que eu era uma cantora "sempre deliciosamente imprevisível". Cheguei a ter um orgasmo com essa frase! (rssss)

2. Apesar de alguns especialistas terem destacado e analisado mais atentamente certas composições de João - como "Bim Bom", "Ho-ba-la-la" e "Undiú" - ele nunca foi tão valorizado como compositor, até porque que o violonista e intérprete estão, por motivos óbvios, em maior evidência. Até no livro "Bim Bom", de Walter Garcia, Caetano Veloso comenta que "Bim Bom" é considerada "demasiado simples" e "modesta", mas que essa canção é tão manifesto da bossa nova quanto "Desafinado" e "Samba de Uma Nota Só". Enfim, acho que não é o caso de comparar o intérprete com o compositor, mas na sua visão, o que as composições de João têm de mais interessante ou talvez desafiador para uma cantora?

IK: Lauro, vou fazer um "copy & paste" aqui, pq esta explicação detalhada eu dei na entrevista para o site JazzWax (veja abaixo, please). Gostaria apenas de adicionar que o grande desafio foi fazer o mesmo que o João faz na essência: fazer o difícil parecer simples, fácil; fazer o que é complexo soar descomplicado, natural. Não bastasse isso, ainda é preciso ser sutil, cantar suavemente, freasear de forma criativa, lidar com alterações rítmicas e sincopado, tudo isso ao mesmo tempo numa fração de segundos. Nem dá tempo de raciocinar. Ou você sabe fazer ou não sabe.

Os críticos brasileiros mais limitados adoram dizer que eu faço malabarismos vocais. Não há afirmação alguma mais equivocada do que essa. Paganini, Liszt, Oscar Peterson não eram malabaristas, eram virtuoses. Chick Corea, John McLaughlin, Michel Camilo e Paco de Lucia são virtuoses, não são malabaristas. Pelé, Garrincha, Ronaldinho são virtuoses. O malabarista fica no circo ou no sinal de trânsito. Eu sou uma virtuose. Se eu sustento uma nota agudíssima por longo tempo, se eu emendo frases sem respirar por mais de um minuto, é porque eu tenho técnica. Não preciso fazer esforço para isso. É uma coisa natural. Se eu precisasse me esforçar e quisesse atrair atenção pela excentricidade, poderia ser chamada de exibicionista. Mas faço isso porque eu sei. Não tenho culpa de ter estudado e continuar estudando, não tenho culpa de ser uma CDF aplicada. Não tenho culpa do que está na moda no Brasil é justamente não saber cantar ou não ter voz. Exibicionista, pra mim, é cantora que fica coçando saco no palco, cuspindo no público ou se jogando do palco em cima da platéia. Mas isso a mídia acha "muderno"...

Deixando bem claro: NÃO TENHO NADA CONTRA QUEM NÃO SABE CANTAR OU NÃO TEM VOZ. CONTINUEM FELIZES ENGANANDO OS OUTROS. SÓ NÃO QUERO E NÃO ACEITO SER JULGADA COM BASE NUMA INVERSÃO DE VALORES. NÃO ACEITO SER ESCULHAMBADA PORQUE SEI CANTAR, TENHO RECURSOS VOCAIS E NÃO DESAFINO. É UM ABSURDO QUE, NO BRASIL, COMPETÊNCIA E TALENTO TENHAM SE TORNADO MOTIVO DE "PUNIÇÃO".

Agora o que eu falei na entrevista para o site JazzWax: He (Joao Gilberto) is tottaly unique! I don't feel I'm able to translate his whole concept into words. But
it's something magical, that really transcends music. The way his
harmonies move, the way he develops his harmonic changes is unparelled,
remains unmatched. He wrote only 11 songs, at least those were the only ones
that he and other artists previously recorded. And I decided to put all of
them together in one CD. Of course I know that Gilberto has created some
other pieces, some pretty tunes that he calls guitar miniatures. But he says
they are "unfinished business," and would never allow me or anyone else to
record them,
because he is an obsessive perfectionist and considers such unrecorded songs
as mere sketches, not finished songs. There's a lovely instrumental waltz he
played live only once during one of his latest Japanese tours, but it
remains untitled and unpublished. So, I wouldn't bother him insisting to
record it. But I hope he'll do it himself in his next album.

I also would like to add that Gilberto is such a creative interpreter that
he becomes an unofficial "co-author" of any song he choses to sing. He says
that's the reason he never felt compelled to write hundreds of songs was
because he knew hundreds of great songs that already existed and that he
felt that he could improve or re-do on his own way, bringing them to his own
style. Look what he has done with "Estate" for example! Before Gilberto's
recording on "Amoroso", nobody knew of it in the USA. Not even in Italy it
was a popular song. Joao turned it into an universal jazz standard! It's a
proof that he does musical miracles!!! (laughs)

Plus: the song "Bim Bom" was originally recorded in 1958 as the Side B of a
78rpm single that had Jobim's "Chega de Saudade" ("No More Blues") on Side
A. "Chega de Saudade", considered the first bossa nova hit, is beautiful.
But "Bim Bom" was much more intriguing and modern, too much ahead of its
time. That's why most of the people who were not musicians didn't pay
attention to it at that time. They couldn't understand such a "strange
song".
Another wonderful tune, "Voce Esteve Com Meu Bem", was composed in 1953, and
still sounds unbelievably modern.

3. "Você Esteve Com Meu Bem", se não me falha a memória, foi gravada por Mariza Gata Mansa em ritmo de samba-canção e pelo próprio João também, quando ainda empostava a voz à maneira de Orlando Silva. Você e Juarez fizeram algo mais próximo da bossa. Gostaria que você comentasse a decisão sobre essa versão e de outras em que por ventura tenha procurado um caminho diferente do original.

IK: Ao que eu saiba, o João nunca a gravou. Só conheço as gravações da Mariza, em 1953, com arranjo do genial Maestro Gaya, e do Caetano. Não tivemos a preocupação de procurar caminhos diferentes, tudo foi muito espontãneo e natural. Mas é claro que eu já tinha "estudado" as músicas há muito tempo. E o meu método é o seguinte: fico dias e dias ouvindo uma canção até decora-la. Aí passo mais uma semana cantando-a diariamente no meu home studio, do meu jeito, esquecendo a gravação original que eu tinha aprendido. Gravo tudo e vou comparando, pra ver se estou melhorando, se a música está fluindo. Quando eu acho que está legal - e isso pode demorar até dois anos - eu testo a música num show, faço uma surpresa para mim mesma. Levo a partitura pros músicos e digo: "hoje vou cantar essa aqui". Se o resultado me agrada, eu continuo cantando ao vivo e começo a pensar na possibilidade de grava-la. Se eu acho que ainda não chegou a um resultado satisfatório, tiro do repertório e volto ao laboratório.

4. Várias faixas do seu CD ou foram gravadas antes uma vez só, pelo próprio João, ou têm outras gravações muito raras e praticamente desconhecidas. Lembrei-me que Bebel Gilberto disse que foi muita coragem dela gravar "Bim Bom" no ano passado, já que João "tem o jeito dele". Gravar uma canção em que João tenha deixado sua marca é sempre passível de comparação. No caso de as composições serem dele, acho que o peso ainda é maior. Você, como admiradora confessa de João, mas que também tem uma marca de interpretação muito pessoal, teve de alguma maneira a preocupação ou o cuidado de estudar o que ele já tinha feito para encontrar um caminho harmônico diferente?

IK: Não. Os caminhos harmônicos vieram naturalmente trazidos ou sugeridos pelo Juarez, que é um craque. Em algumas músicas ele se aproximou bastante das gravações do João, no caso das músicas que ele (João) chegou a gravar. Em outras, como as três parcerias com o Donato, o Juarez reprocessou tudo à maneira dele, fez um trabalho genial. A performance dele em "Minha Saudade" é uma aula de violão! A única interpretação que eu premeditei foi a de "Coisas Distantes", porque fiquei imaginando como Shirley Horn a cantaria. Por isso gravamos num andamento bem lento, que me permite saborear cada sílaba. Veja como eu canto as frases "namoro ao portão" e "em meu peito aquela agitação", que você vai sacar o que eu quis fazer.

5. Sobre "Bim Bom". Como já tinha dito no e-mail anterior, essa canção ganhou três regravações em 2009 - a sua, a de Bebel e outra de Adriana Calcanhotto, que colocou a batida de samba-reggae do Olodum. Além de ter sido lançada no outro lado de "Chega de Saudade", em 1958, portanto, também é um marco do lançamento da bossa nova, ela dá título a seu álbum. Tom Jobim chegou a usar "Bim Bom" como exemplo da contribuição rítmica da bossa nova. À parte a importância histórica, que observação mais profunda você, que a gravou em ritmo mais acelerado, faria da canção nessa questão da combinação do jogo rítmico entre a voz e o violão?

IK: Acho que o Juarez saberá responder isso melhor. Permita-me apenas uma pequena correção: "Bim Bom" ganhou três lançamentos em 2009. Porque o meu disco foi gravado em 18 e 19 de março de 2008. As gravações de Bebel e Adriana foram feitas depois. Não é opinião, é uma constatação.

6. A curtíssima letra da canção começa com "é só isso o meu baião e não tem mais nada não". Como te falei, no documentário "O Homem Que Engarrafava Nuvens", Caetano Veloso comenta que Gilberto Gil tinha se referido a "Bim Bom" como algo revelador da influência do baião na bossa nova. Depois João compôs "Undiú", que também é um baião. Nos livros consta que ele compôs "Bim Bom" inspirado no ritmo do andar das lavadeiras baianas. Agora, você vê mesmo uma relação da bossa nova com o baião na origem da batida de João?

IK: Lauro, vc está impossível...! Que pergunta difícil! Juarez, me salva... (rssss)

7. Não custa perguntar - João ouviu seu CD?

IK: Claro! Mas isso é segredo. Tenho que respeitar a privacidade do João.

8. Você vem fazer show com esse repertório em São Paulo? Além das canções do CD o que mais do repertório de João tem no show?

IK: Adoraria, mas ainda não fui convidada. No Rio, onde estou em cartaz durante todas as sextas e sábados de janeiro no Bar do Tom, com casa lotada, o repertório muda a cada noite. Estou cantando pela primeira vez músicas como "Smoke Gets In Your Eyes" e "Aviso aos Navegantes". Quando o Miele aparece para dar canja - e ele já me deu esta honra duas vezes -, cantamos juntos "Baubles, Bangles and Beads". Quando ele não vai, eu troco por "Days of Wine and Roses". Tenho incluido também "Human Nature", lançada pelo Michael Jackson no "Thriller", e que eu faço num arranjo bem jazzístico, inspirado na versão do Miles Davis que era apaixonado por esse tema.

9. Como será seu novo álbum? Sai este ano? Aliás, há previsão de lançamento de "Bim Bom" no Brasil? (comprei o CD importado).

IK: Ainda não há previsão de lançamento do "Bim Bom" no Brasil. Estou gravando dois novos discos simultaneamente. Um em Los Angeles, outro em Nova Iorque. Mas ambos são projetos secretos, como foi o "Bim Bom". Quando gravamos o disco, apenas João, Juarez, o produtor Arnaldo DeSouteiro e o engenheiro de som Geraldo Brandão sabiam que se tratava de um songbook do João. Fizemos um pacto de não comentar nada nem com familiares nem com amigos, para não vazar e estragar a surpresa. Gostaria de pedir que você citasse que eu e o Juarez doamos integralmente nossos royalties para o Dizzy Gillespie Fund do Englewood Hospital, de Nova Jersey. Este dinheiro permite o tratamento de músicos que não possuem seguro-saúde e estão necessitados de exames, tratamentos ou internações. É importante revelar isso porque a qualquer hora vai surgir no Brasil um espírito de porco dizendo que eu e o Juarez resolvemos "faturar" na fama do João. E este é um projeto feito por puro amor e admiração, sem a menor intenção de lucro. Nem eu nem o Juarez precisamos disso, temos carreiras e reputações sólidas. "Bim Bom" é fruto unicamente do nosso amor pela obra de João Gilberto.

Monday, January 18, 2010

Bim Bom Tour - "Garota FM" review

http://garotafm.com.br/?p=1590

GarotaFM
Este site é editado por Christina Fuscaldo, jornalista, aspirante a produtora, metida a cantora e, acima de tudo, uma apaixonada por música.

Com técnica vocal perfeita e domínio de palco, Ithamara Koorax rege a plateia do Leblon
segunda-feira, 18 de janeiro de 2010


Além de uma técnica vocal perfeita, Ithamara Koorax tem domínio do palco. E é capaz de reger uma plateia usando os olhos e as mãos. A niteroiense que faz mais sucesso no exterior do que no Brasil merece ser designada como uma das três melhores cantoras de jazz do mundo, como o fizeram os leitores das revistas DownBeat, Swing Journal e Jazz People (ao lado de Diana Krall e Cassandra Wilson). Não importa o que diz a crítica brasileira - com a qual Ithamara tem uma certa diferença. No show que apresenta às sextas e sábados, até o dia 30 de janeiro, no Bar do Tom, no Leblon, a cantora mostra por quê a diversificação do seu repertório não compromete o show, cuja unidade é alcançada através de sua voz, desenvoltura e influência sob o público.

Em “Bim Bom World Tour”, a cantora mescla clássicos com canções do seu 12º álbum, “Bim Bom”, um tributo a João Gilberto. Mas a homenagem bossanovista se dissolve em meio a tantos outros hits. Do repertório do baiano, ela canta poucas. “O Pato”, “Minha Saudade”, uma parceria com João Donato, e “Hó-bá-lá-lá-lá” são algumas delas.

Entre a versão em português de “Human Nature” (Michael Jackson), gravada por Dulce Quental em 1986, e “Smoke Gets in Your Eyes” (The Platters), Ithamara Koorax cantou os temas de Chapeuzinho Vermelho e Dona Baratinha, mostrando que, além de graves e agudos perfeitos, ela sabe fazer vozes estridentes quando quer brincar. O dance “Got To Be Real” (Cheryl Lynn) virou um jazz irreconhecível e “Aviso aos navegantes”, de Lulu Santos, ganhou teclado e baixo jazzísticos e violão e bateria de samba: só não dá para dizer que é “a perfeita bossa nova” porque nesse movimento não há vozes primorosas.

Ithamara Koorax encerrou o show com o tango “El Día Que Me Quieras”, sucesso do argentino Carlos Gardel, e “Mas Que Nada”, de Jorge Ben, que ganhou solo de bateria de Haroldo Jobim. Antes, chamando com os olhos e fazendo gestos sutis com as mãos, conseguiu que as pessoas presentes a acompanhassem em coro em diversas canções. No bis, “Never can say goodbye” e “Garota de Ipanema”.

Saturday, January 16, 2010

"Bim Bom" - Step Tempest review

http://steptempest.blogspot.com/2009/12/three-2009-cds-that-almost-got-away.html

Bim Bom: The Complete João Gilbert Songbook - Ithamara Koorax & Juarez Moreira (Motema)
Posted by CultureCreature
Reviewed by Richard B. Kamins

Voice, acoustic guitar and the music of João Gilberto, who could ask for much more, especially when the vocalist is the highly impressive Ms. Koorax. How best to describe this CD? The words "lovely" and "intensely melodic" easily come to mind. It's so easy to fall under the spell of this short (barely 41 minutes) but ever-so -sweet. Guitarist Moreira is up to the task of playing melodically yet keeping the rhythms flowing on the uptempo tunes, such as the title track and the disk's only purely instrumental piece, "An Embrace to Bonfa."

The hypnotic "Undiu", with its droning low strings and nearly wordless vocals, is one of the finer cuts as is "Valsa (Bebel)", written for Gilberto's oldest daughter (who now is one of the most popular singers from Brazil.) The latter track features an overdubbed guitar solo and has a sound that might have influenced the songwriting of Paul Simon. Moreira overdubs electric guitar on the English language version of "Hô-ba-lá-lá" that closes the program.

Ithamara Koorax has such a fine voice with an easy delivery that rings true throughout the program. Moreira's guitar is the perfect partner, always supportive, with clear, articulated, lines and short pithy solos. João Gilberto's music has rarely sounded better.

Monday, January 11, 2010

"Ithamara Koorax & Leiloca"

O Globo - Segundo Caderno
Coluna "Gente Boa" (Joaquim Ferreira dos Santos)
11 de janeiro de 2010, pág. 2

LEILOCA, à direita, a aniversariante, toca bongô com a cantora Ithamara Koorax na sua festa, semana passada, no Londra, o bar-boate do Hotel Fasano

Thursday, January 7, 2010

Ithamara Koorax & Miele - O Globo

Ithamara Koorax & Elzinha Barroso - JB

Jornal do Brasil, Pág. A16
6 de Janeiro de 2010
Coluna "Anna Ramalho"
Christovam de Chevalier (interino)

BEL CANTO - Em sua volta ao Bar do Tom, que botou gente pelo ladrão, no Leblon, nossa diva internacional Ithamara Koorax recebe Elzinha Barroso. A cantora fica no Rio até o fim do mês.

Ithamara Koorax - Billboard Brasil

Koorax - interview for "Garota FM" website

http://garotafm.com.br/?p=1483

Uma das três melhores cantoras de jazz do mundo, Ithamara Koorax faz temporada no Rio

Uma das artistas brasileiras de maior sucesso fora do país, Ithamara Koorax vai passar janeiro matando a saudade de casa. A cantora aterrissa no Bar do Tom, onde faz temporada do dia 2 ao 30. Os shows são sempre na sexta e no sábado, exceto neste fim de semana de estreia, no qual ela canta sábado e domingo.

Apresentando o show “Bim Bom World Tour”, a cantora vai mesclar clássicos com canções do seu 12º álbum, “Bim Bom”, um tributo a João Gilberto que ganhou resenhas com boas cotações no jornal New York Times, nas revistas JazzTimes, Cashbox e Billboard e no site All Music Guide. “Human Nature” (Michael Jackson), “Got To Be Real” (Cheryl Lynn) e “Aviso Aos Navegantes” (Lulu Santos) estão no roteiro.

Ithamara Koorax garante que vai oferecer aos cariocas tudo o que ela costuma dar aos seus fãs fora do Brasil. Leia entrevista com a estrela do jazz, eleita, pelo segundo ano consecutivo, uma das três melhores cantoras de jazz do mundo pelos leitores das revistas DownBeat, Swing Journal e Jazz People - ao lado de Diana Krall e Cassandra Wilson.

GarotaFM: Por que a decisão de fazer um disco tributo a João Gilberto?

Ithamara Koorax: Conheci João Gilberto através de “Canção do Amor Demais”, de Elizeth Cardoso. Meus pais adoravam o disco e eu cresci ouvindo aquelas músicas. Conheço de cor todos os arranjos do Tom Jobim. Por sincronicidade, quando iniciei minha carreira profissional, em 1990, Elizeth se tornou minha madrinha artística. Depois o Tom gravou comigo em 1994. E agora eu celebro meus 20 anos de carreira reverenciando o João!

A idéia é antiga, apenas foi sendo atropelada por outros projetos. Mas tenho certeza que se concretizou na hora certa e com o parceiro certo, o guitarrista mineiro Juarez Moreira, que também sempre foi apaixonado pelo João. A prova de que acertamos na mosca é o fato do CD estar sendo unanimemente aclamado nos EUA, na Europa e na Ásia, com resenhas maravilhosas no New York Times, nas revistas JazzTimes, Cashbox e Billboard, no All Music Guide etc. E ainda me fez ser votada, pelo segundo ano consecutivo, uma das três melhores cantoras de jazz do mundo, segundo os leitores da DownBeat.

O João é a última lenda-viva da música brasileira. Depois de eu ter trabalhado com gênios como Tom Jobim, Luiz Bonfá, João Donato e Hermeto Pascoal, era natural que eu me aventurasse pela obra autoral do João - jamais gravaria um tributo ao “João intérprete”, porque seria ridículo tentar imita-lo, inclusive porque várias pessoas já fizeram isso e os resultados sempre foram medíocres.

Pela primeira vez, todas as composições do João estão reunidas em um disco. E, é bom frisar, não é um disco de bossa nova. Tem bossa, mas também tem baião (”Undiú”), valsa (”Bebel”), bolero (”Hoba-Lá-Lá”), samba-canção (”Você Esteve Com Meu Bem?”), latin-jazz (”Acapulco”) etc.

GFM: Como é ser aclamada fora do Brasil e como é sua relação com a crítica brasileira?

IK: Em janeiro de 1990, quando fiz meu primeiro show como cantora profissional, eu era uma ingênua, não acreditava em maldade nem em inveja. O engraçado é que, quando você está começando, todo mundo apóia, dá força. À medida em que você vai progredindo e conquistando espaço, muita gente começa a sentir inveja. E começam as rasteiras, começa um “jogo sujo” muito feio. Meu relacionamento com a imprensa brasileira em geral é excelente, é importante frisar isso. Com grande parte da crítica músical, formada por historiadores veteranos como Tárik de Souza, Roberto Muggiati, Carlos Calado e Sergio Cabral, também. Mas com a turminha de segundo escalão da crítica musical, que está na profissão apenas para usufruir das bocas-livres, beber chope de graça nas estréias e revender nos sebos os CDs que recebe, começa o problema. Este pessoal, recalcado e invejoso, tem verdadeiro ódio de quem faz sucesso no exterior. Infelizmente é uma coisa muito triste, uma atitude ridícula e vergonhosa que prejudica a carreira de muita gente no Brasil, inclusive a minha, porque NADA do que fazemos e conquistamos internacionalmente é noticiado ou valorizado na imprensa nacional.

O Tom Jobim, que passou a vida inteira sendo acusado de “americanizado”, só foi “absolvido” depois que morreu precocemente e de forma trágica. A única outra forma de obter perdão é voltando pobre ou doente para o Brasil. O Sergio Mendes, por exemplo, como fica cada vez mais rico, é cada vez mais odiado aqui, quando deveria ser aclamado como um Pelé da música, como um Ronaldinho. “Bim Bom” não será lançado no Brasil, mas isto não me entristece. Pelo contrário, até dá um alívio porque pelo menos sei que o disco não será esculhambado pela crítica (rssss). É incrível mas, à medida em que meu sucesso aumenta no exterior, a crítica musical carioca mais me trata de forma vil e desrespeitosa. Mas não levo para o lado pessoal. Foi assim com Luiz Bonfá, Laurindo Almeida, Eumir Deodato, Walter Wanderley. Ainda é assim com Sergio Mendes, João Gilberto, Airto Moreira e Flora Purim. Por que seria diferente comigo?

GFM: Como se sente comemorando 20 anos de carreira em palco carioca?

IK: Muito feliz, claro! Amo meu país e adoro cantar no Rio, ainda mais nesta época de férias em que a cidade está repleta de turistas de outras cidades brasileiras. E me sinto plenamente realizada. Sou paga para fazer o que amo, viajo pelo mundo inteiro. Tenho um público fiel, faço uma média de 80 shows por ano, já cheguei a mais de 100 em alguns anos. Gravei e cantei com os meus maiores ídolos: Tom Jobim, Luiz Bonfá, Hermeto Pascoal, João Donato, Ron Carter, Edu Lobo, Martinho da Vila, Larry Coryell, John McLaughlin, Marcos Valle, Sadao Watanabe, Dave Brubeck, Claus Ogerman… Jamais sonhei que iria, um dia, obter um décimo do prestígio mundial que eu conquistei. Pelo segundo ano consecutivo, acabei de ser eleita a terceira melhor cantora na votação dos leitores da DownBeat, que é a “bíblia do jazz”. Há dez anos eu estou entre as dez melhores, não apenas na DownBeat mas também segundo várias outras revistas de jazz no mundo inteiro, então isso me deixa muito contente. O principal crítico dos EUA, Scott Yanow, me incluiu entre as melhores cantoras de todos os tempos, ao lado de Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan, Betty Carter e Flora Purim, no novo livro dele, “The Jazz Singers”. Não posso nem dizer que é a realização de um sonho porque eu nunca imaginei que atingiria este patamar de reconhecimento.

Em 2009, cantei no Rio durante todo o mês de janeiro. Comecei no Mistura Fina, lotadíssimo, com sessões extras, e continuei por mais três semanas de casa igualmente lotada no Bar do Tom. Depois fui pra Ásia, fiz três excursões pela Europa, fui gravar um outro disco nos Estados Unidos, enfim, muita coisa. No exterior, em 2009, foram 47 shows. No Brasil, 35, incluindo várias idas a São Paulo para shows no SESI, no circuito do SESC, no CCBB etc. Mas é normal mesmo que eu faça apenas uma temporada no Rio a cada ano. Ainda mais agora com a agenda cada vez mais lotada no exterior. Em fevereiro eu viajo para nova turnê na Europa, voltando ao Brasil apenas em abril, para shows em São Paulo, Brasília, Curitiba e outras cidades.

GFM: Há alguma diferença entre o show que apresentará no Rio e os shows que costuma fazer fora do Brasil? Por exemplo Lulu Santos entra no repertório lá de fora?

IK: O padrão de qualidade é o mesmo, assim como a minha entrega no palco. Faço cada show como se fosse o último. Esteja eu cantando em Londres, Paris, Gramado ou Ipatinga. Adoro surpreender o público e principalmente a mim mesma. Então só canto músicas que eu gosto. E são muitas, muitas! Eu poderia fazer 100 shows consecutivos sem repetir uma única canção, se fosse necessário. Tenho um repertório imenso, que inclui músicas que eu já gravei e outras tantas que eu nunca cantei em shows. No caso específico de “Aviso aos Navegantes”, que eu a-m-o, nunca cantei nem no exterior nem no Brasil. Mas certamente será mantida na parte internacional da “Bim Bom World Tour”.

GFM: O que você preparou que acha que vai surpreender o público carioca?

IK: Eu não faço show para agradar a crítica brasileira, até porque jamais conseguiria. Canto para agradar ao público. Amo ver e sentir a vibração da platéia se divertindo, cantando junto. Não sou uma esnobe, e muito menos uma pseudo-intelectual. Sou uma entertainer. No Bar do Tom levarei para o palco músicas que eu adoro cantar em casa, mas nunca havia interpretado “ao vivo”. Tenho uma lista de 50 músicas “inéditas na minha voz” e irei selecionando algumas a cada noite.

É um repertório variado, que vai desde “Smoke Gets In Your Eyes”, sucesso do grupo The Platters, até “Days of Wine and Roses”, do Henry Mancini. Quero também voltar a cantar “Got to Be Real”, “Never Can Say Goodbye” e “Human Nature”, gravada pelo Michael Jackson no “Thriller”, mas com uma pegada jazzística a la Miles Davis que eu já cantei nos meus shows nos anos 90. Mas, por favor, não me rotule de cantora eclética porque não faço covers. Todas as músicas são reprocessadas para o “estilo Ithamara Koorax” que me fez ser valorizada e tratada com respeito no mundo inteiro, exceto no Rio de Janeiro.

Ithamara Koorax: sábado e domingo (2 e 3), às 22h. Temporada até 30/01, com shows sextas e sábados. Bar do Tom (Rua Adalberto Ferreira, 32, Leblon – 2274-4022). R$ 60 a R$ 80.

Saturday, January 2, 2010

Ithamara Koorax - Jornal do Brasil "Bênção a João Gilberto"

Jornal do Brasil
Revista Programa
1º a 7 de janeiro de 2010
páginas 16 e 17

JAZZ - ITHAMARA KOORAX
Bênção a João Gilberto
Com novo CD, cantora aproveita para festejar 20 anos de carreira

Phillippe Noguchi

Nome restrito a um seleto público no Brasil, Ithamara Koorax vê sua carreira crescer cada vez mais no exterior: a cantora foi eleita, pelo segundo ano consecutivo, uma das três melhores intérpretes de jazz do mundo, de acordo com os leitores da DownBeat, a principal publicação do segmento. Amealhando boas críticas nos EUA, Europa e Ásia, a cantora lança a turnê mundial de seu último disco, "Bim bom", no Rio, neste sábado, no Bar do Tom. O CD celebra os 20 anos de carreira da cantora, com releituras de João Gilberto, o grande homenageado do disco.

- Existe alguma outra lenda viva na música brasileira? Depois de ter trabalhado com gênios como Tom Jobim, Luiz Bonfá, Hermeto Pascoal e João Donato, só faltava me dedicar à obra de João - diz a cantora, que diz não se importar se o grande público ainda não a conhece no Brasil.

- Não faço disco nem show para agradar à crítica brasileira, até porque jamais conseguiria. Canto para agradar ao público, sentir a vibração da platéia, cantando junto. Amo cantar no Rio, ainda mais nesta época em que a cidade está lotada de turistas de várias outras cidades brasileiras.

Além das raras pérolas do mestre da bossa, como Minha Saudade e Obalálá, Ithamara relê temas pop com pegadas jazz, de Michael Jackson (Human nature) a Lulu Santos (Aviso aos navegantes), e músicas de seus CDs anteriores. Em abril, ela volta a cantar pelo Brasil, em Brasília, Curitiba e São Paulo.
ITHAMARA KOORAX - Eleita, pelo segundo ano consecutivo, uma das 3 melhores cantoras de jazz do mundo pela revista Down Beat, ficando atrás apenas de Diana Krall e Cassandra Wilson, comemora 20 anos de carreira em 2010 com o show que estréia no Rio. A apresentação traz o repertório do CD Bim bom, que acaba de lançar nos EUA. Bar do Tom, Rua Adalberto Ferreira 32, Leblon. Cap.: 350 pessoas.
Versão integral da entrevista realizada em 28 de dezembro de 2009:

- Uma homenagem ao "lado compositor" de João Gilberto é a principal marca do show. Como você teve a ideia de resgatar essa face de João?
IK: A principal marca do show, na verdade, é celebrar os meus 20 anos de carreira. Inicio, mais uma vez pelo Rio, uma turnê mundial, que agora se chama "Bim Bom World Tour" por causa do título do novo CD. Em 2009, foram 47 shows no exterior e 35 no Brasil. Em 2010, viajo para nova turnê européia em fevereiro. Depois, Ásia em março. E retomo as viagens pelo Brasil em abril, com shows em Brasilia, Curitiba, São Paulo e outras cidades. Me sinto muito feliz nesta celebração dos 20 anos de carreira. Especialmente comigo mesma. As metas traçadas foram alcançadas, a começar por conseguir fazer uma música universal. Os "presentes" musicais que vieram de surpresa foram mais importantes e valiosos ainda. Toquei e gravei com os meus maiores ídolos: Tom Jobim, Luiz Bonfá, Edu Lobo, João Donato, Hermeto Pascoal, Elizeth Cardoso, Marcos Valle, Tito Madi. O reconhecimento internacional se amplia e se solidifica a cada dia, num processo contínuo de levar minha voz à novas platéias no mundo todo. E tudo isso me mantem apaixonada pela música, sem preconceitos e sem fronteiras. É uma atitude não apenas musical, mas filosófica, cósmica, de colocar o (meu) espírito em sintonia com a energia de todo o universo. Do CD "Bim Bom" cantarei apenas quatro músicas a cada noite, variando pra não cair na repetição. Tipo assim: "Minha Saudade", "Hoba-la-lá", "Acapulco" e "Você Esteve Com Meu Bem?" estarão numa noite. Na outra entram "Bim Bom", "Valsa", "Coisas Distantes" e "Undiú", e assim por diante.
Sobre a decisão de homenagear o João: existe alguma outra lenda-viva na música brasileira? Depois de ter trabalhado com gênios como Jobim, Bonfá, Hermeto e Donato, só faltava me dedicar à obra autoral do João Gilberto. Não fazendo uma imitação, como tantos e tantas já fizeram, do jeito dele cantar. Mas trazendo à tona a sua criação como compositor, que acabou relegada à segundo plano. Injustamente. Porque, ouvindo uma música como "Bim Bom", gravada por ele em 1958, como lado B do 78 rotações que tinha "Chega de Saudade", você saca que a estética da bossa nova já estava inteirinha ali. "Chega de Saudade" era avançada para aquela época, chocou todo mundo. Mas o minimalismo de "Bim Bom" ainda era muito mais avançado, muita gente preferiu fingir que não tinha ouvido, porque realmente não conseguiu entender. Tem gente que não entendeu até hoje...(risos) Se a cabeça do João não funcionasse na base do "Bim Bom", não teria existido a concepção que ele aplicou às músicas do Tom.
A idéia de gravar o Songbook do João era antiga, mas tenho certeza que se concretizou na hora certa e com o parceiro certo, o guitarrista mineiro Juarez Moreira, que também sempre foi apaixonado pelo João. A prova de que acertamos na mosca é o fato do CD estar sendo unanimemente aclamado nos EUA, na Europa e na Ásia, com resenhas maravilhosas no New York Times, nas revistas JazzTimes, Cashbox e Billboard, no All Music Guide etc. E ainda me fez ser votada, pelo segundo ano consecutivo, uma das três melhores cantoras de jazz do mundo, segundo os leitores da DownBeat. Tudo isso, ignorado pela imprensa brasileira, está documentado no meu blog Brazilian Butterfly: www.ithamarakoorax.blogspot.com Falta apenas colocar o review da JazzTimes, que acaba de sair na edição de janeiro de 2010, chamando o disco de "essencial e histórico".

- E sobre as versões de sucessos pop que vão completar o repertório? Como você as escolheu e de que modo as músicas vão se encaixar no clima da apresentação?
A única coisa previsível nos meus shows é a imprevisibilidade. Como, desta vez, a intenção é celebrar os 20 anos de carreira, entrarão algumas músicas de discos anteriores, como "Un Homme et Une Femme" (do CD "Serenade in Blue", que você resenhou para o Clique Music) e "I Fall in Love Too Easily" (do CD "Autumn in NY"). Isso eu combinei comigo mesma para a estréia. Na noite seguinte posso escolher outras como "Love Dance" e "Iluminada".
Também levarei para o palco músicas que eu adoro cantar em casa, mas nunca havia interpretado "ao vivo". Tenho uma lista de 50 músicas "inéditas na minha voz" e irei selecionando algumas a cada noite.
É um repertório variado, que vai desde "Smoke Gets In Your Eyes", sucesso do grupo The Platters, até "Days of Wine and Roses", do Henry Mancini e "Aviso aos Navegantes", do Lulu Santos. Quero também voltar a cantar "Got to Be Real", "Never Can Say Goodbye" e "Human Nature", lançada pelo Michael Jackson no "Thriller", mas com uma pegada jazzística a la Miles Davis que eu já cantei nos meus shows nos anos 90. E antes que você me classifique como cantora eclética, vou logo negando. Porque não faço covers, transformo essas músicas de acordo com o meu sentimento. Todas adquirem a "sonoridade Ithamara Koorax", o "estilo Ithamara" de interpretar que os preconceituosos tradicionalistas odeiam e as pessoas de mente aberta sempre amam. Ou pelo menos respeitam.

- Verão no Rio combina com jazz? Como o clima da estação mais carioca de todas influencia seu show?
Não faço disco nem show para agradar a crítica brasileira, até porque jamais conseguiria. Canto para agradar ao público. Amo ver e sentir a vibração da platéia se divertindo, cantando junto. Não sou uma esnobe, e muito menos uma pseudo-intelectual. Não sou purista, tenho horror a esse papo velho de "jazz puro", até porque o jazz já nasceu impuro, misturado, se desenvolveu pegando influências da África, da Europa, de Cuba e até do Brasil, através da bossa nova. Sou uma entertainer. Então, no meu caso, o verão do Rio sempre combinou com jazz. Amo cantar no Rio, ainda mais nesta época em que a cidade está lotada de turistas de várias outras cidades brasileiras, o que gera uma energia incrível. A minha primeira temporada como cantora profissional aconteceu exatamente em janeiro de 1990, no Rio Jazz Club, com casa lotada. Desde então escolhi começar o ano cantando no Rio e sempre deu certo. Desde 2000 abri as temporadas anuais do Mistura Fina, inclusive em 2009, novamente com sessões extras e casa lotada, o que, obviamente, nunca foi registrado na imprensa. Desta vez, a festa será no Bar do Tom! E, garanto, com muita sensualidade musical e arranjos deliciosos.

Ithamara Koorax - "R7" interview

http://entretenimento.r7.com/agenda-cultural/agenda-cultural/noticias/ithamara-koorax-uma-melhores-cantoras-de-jazz-do-mundo-faz-temporada-no-rio-20100102.html

Agenda cultural publicado em 02/01/2010 às 08h00:
Ithamara Koorax, uma melhores cantoras de jazz do mundo, faz temporada no Rio
Cantora leva seu tributo a João Gilberto ao Bar do Tom durante os fins de semana de janeiro


Christina Fuscaldo, da Tambor
para R7, portal da Rádio e Televisão Record S/A
Foto: Cafi
Uma das artistas brasileiras de maior sucesso fora do país vai passar janeiro matando a saudade de casa. Ithamara Koorax aterrissa no Bar do Tom neste sábado (2) e domingo (3) e segue com temporada na casa até o dia 30 com shows sempre às sexta e aos sábados. Em entrevista exclusiva ao R7, a cantora fala da carreira, do reconhecimento internacional e da vontade de soltar a voz no Rio.

Apresentando o show Bim Bom World Tour, ela mescla canções do seu 12º álbum – um tributo a João Gilberto – com outras pérolas, como Human Nature (Michael Jackson), Got To Be Real (Cheryl Lynn) e Aviso Aos Navegantes (Lulu Santos).

“O padrão de qualidade é o mesmo, assim como minha entrega no palco. Faço cada show como se fosse o último. Esteja eu cantando em Londres, Paris, Gramado ou Ipatinga. Então, só canto músicas que eu gosto. E são muitas! No caso de Aviso aos Navegantes, que eu a-m-o, nunca cantei nem no exterior nem no Brasil. Mas certamente será mantida na parte internacional da Bim Bom World Tour”, revela.

De João Gilberto, Ithamara não leva ao palco apenas bossas novas, mas outros estilos presentes na discografia do mestre. O baião Undiú, a valsa Bebel, o bolero Hoba-Lá-Lá, o samba-canção Você Esteve Com Meu Bem? e o latin-jazz Acapulco estão no roteiro.

“Pela primeira vez, todas as composições do João estão reunidas em um disco. Conheci João Gilberto através de Canção do Amor Demais, de Elizeth Cardoso. Meus pais adoravam o disco e eu cresci ouvindo aquelas músicas. Conheço de cor todos os arranjos do Tom Jobim. Quando iniciei minha carreira, em 1990, Elizeth se tornou minha madrinha artística. Depois o Tom gravou comigo em 1994. E agora eu celebro meus 20 anos de carreira reverenciando o João! A ideia é antiga, apenas foi sendo atropelada por outros projetos. Mas tenho certeza que se concretizou na hora certa e com o parceiro certo, o guitarrista mineiro Juarez Moreira, que também sempre foi apaixonado pelo João. A prova de que acertamos na mosca é o fato do CD estar sendo aclamado nos EUA, na Europa e na Ásia”, comenta Ithamara.

Bim Bom ganhou resenhas com boas cotações no jornal New York Times, nas revistas JazzTimes, Cashbox e Billboard e no site All Music Guide. Em 2009 também, Koorax teve outro feito: foi eleita, pelo segundo ano consecutivo, uma das três melhores cantoras de jazz do mundo pelos leitores das revistas DownBeat, Swing Journal e Jazz People - ao lado de Diana Krall e Cassandra Wilson.

“Estou muito feliz, claro! Amo meu país e adoro cantar no Rio, ainda mais nesta época de férias em que a cidade está repleta de turistas de outras cidades brasileiras. Em 2009, cantei no Rio durante todo o mês de janeiro. Comecei no Mistura Fina, lotadíssimo, com sessões extras, e continuei por mais três semanas de casa igualmente lotada no Bar do Tom. Em fevereiro, viajo para nova turnê na Europa, voltando ao Brasil apenas em abril, para shows em São Paulo, Brasília, Curitiba e outras cidades”, antecipa a cantora.

SERVIÇO
Endereço: Bar do Tom - Rua Adalberto Ferreira, 32, Leblon (21) 2274-4022
Horário: sábado e domingo (2 e 3), às 22h. Temporada até 30/01, com shows sextas e sábados.
Preço: R$ 60 a R$ 80

Koorax - interview for "Guia da Semana"

http://www.guiadasemana.com.br:80/Sao_Paulo/Shows/Noticia/Jazz_brazuca.aspx?id=59401
Entrevista concedida por Ithamara Koorax ao website "Guia da Semana" e postada na internet no dia 1º de janeiro de 2010.

Jazz brazuca
Sucesso no exterior, Ithamara Koorax está no Brasil para apresentar seu 12º disco, além de comemorar 20 anos de carreira em 2010


Por Maraísa Bueno
Fotos: Cafi
Ela é filha de poloneses que fugiram da Segunda Guerra Mundial e, como muitos, encontraram uma nova vida no Brasil. Cresceu ouvindo Frank Sinatra, Ella Fitzgeral, João Gilberto e Elis Regina. Em 2010, Ithamara Koorax completa 20 anos de carreira, sendo considerada como uma das melhores cantoras de jazz do mundo, ao lado de Diana Krall e Cassandra Wilson.

No meio dos preparativos para o lançamento de seu 12º disco, Bim Bom, no Bar do Tom, no Rio de Janeiro, a cantora conversou com o Guia da Semana a respeito de sua carreira, trabalhos, parcerias e o sucesso no exterior.

Conte um pouco de sua carreira e como a música, mais especificamente o jazz, entrou em sua vida!
Ithamara Koorax: Minha mãe era cantora lírica, meu pai adorava jazz. Cresci ouvindo Frank Sinatra, Tony Bennett, Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan e Chet Baker. Mas também muita música brasileira, como Elizeth Cardoso, João Gilberto, Elis Regina, Stellinha Egg e Vanja Orico. Sem falar das óperas que minha mãe escutava. Então fui estudar canto, piano, teoria musical e solfejo. Na adolescência descobri o jazz-rock de Chick Corea, Flora Purim, Urszula Dudziak, John McLaughlin, Larry Coryell e tantos outros músicos.

Você faz um sucesso imenso em diversos países. Você acha que a Bossa Nova e o Jazz possuem mais força e sucesso fora do Brasil? Por quê?
Ithamara Koorax: Claro! Mas é natural. O jazz nasceu nos Estados Unidos. E a bossa nova se consagrou lá, de onde foi exportada para o mundo inteiro e até re-exportada (ou re-importada?) para o próprio Brasil, depois que Garota de Ipanema estourou nos Estados Unidos, na gravação de João & Astrud Gilberto com Stan Getz. O problema é que aí começou um segundo surto de ódio (o primeiro foi na época de Carmen Miranda) da crítica musical brasileira em relação aos nossos artistas que começaram a fazer sucesso, mas muito sucesso mesmo, no exterior, como Tom Jobim, Luiz Bonfá, entre outros. Infelizmente é uma coisa muito triste, uma atitude ridícula e vergonhosa que permanece até hoje e prejudica a carreira de muita gente no Brasil, inclusive a minha, porque nada do que fazemos e conquistamos internacionalmente é noticiado ou valorizado na imprensa nacional.

Você está completando em 2010, 20 anos de carreira. O que há de diferente na Ithamara Koorax de 20 anos atrás para a Ithamara Koorax de hoje?
Ithamara Koorax: Ah, muita coisa... (risos) Em janeiro de 1990, quando fiz meu primeiro show como cantora profissional, eu era uma ingênua, não acreditava em maldade nem em inveja. O engraçado é que, quando você está começando, todo mundo apoia, dá força. À medida que você vai progredindo e conquistando espaço, muita gente começa a sentir inveja. O bom é que hoje eu sou uma artista com muita experiência e reconhecimento em um nível internacional. E estou plenamente realizada. Gravei e cantei com os meus maiores ídolos. Jamais sonhei que iria, um dia, obter um décimo do prestígio mundial que eu conquistei. O principal crítico dos Estados Unidos, Scott Yanow, me incluiu entre as melhores cantoras de todos os tempos, ao lado de Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan, Betty Carter e Flora Purim, em seu livro, The Jazz Singers. Não posso nem dizer que é a realização de um sonho porque eu nunca imaginei que atingiria este patamar de reconhecimento.
Há algum momento marcante em sua carreira, que você nunca esqueceu? Conte pra gente!
Ithamara Koorax: São muitos! O dia em que Elizeth Cardoso me adotou como afilhada artística, logo no início da minha carreira em 1990. O dia em que gravei com Tom Jobim em 1994, três meses antes dele falecer. Os primeiros encontros com Baden Powell, Martinho da Vila e Dave Brubeck. O primeiro ensaio na casa de Edu Lobo. Os shows memoráveis com Luiz Bonfá, Dom Um Romão e Marcos Valle. O dia em que Dorival Caymmi me recebeu na casa dele e eu pedi a benção para as músicas dele que eu gravei no disco Brazilian Butterfly. Como diz o Rei (o cantor Roberto Carlos), 'são muitas emoções!'

Por que seu novo trabalho têm o nome Bim Bom? Como foi a produção desse disco? Há músicas inéditas ou regravações?
Ithamara Koorax: Bim Bom é o nome da música do João Gilberto que abre o disco. É um songbook do músico, reunindo, pela primeira vez em um único CD, todas as canções que ele compôs. Eu e o guitarrista Juarez Moreira gravamos tudo em dois dias, "ao vivo" no estúdio, como se estivéssemos fazendo um show. Resultou num trabalho muito espontâneo, que foi lançado dia 18 de outubro no exterior e vem sendo unanimemente aclamado, com ótimas resenhas no New York Times, na Billboard, Cinco estrelas na Cashbox.

O primeiro lançamento aconteceu nos Estados Unidos e você trouxe seu novo trabalho depois para o Brasil. Você quem escolheu fazer o lançamento primeiro lá fora, para depois trazê-lo para o Brasil?
Ithamara Koorax: Não é uma escolha minha, é uma consequência do mercado. Também não é novidade na minha carreira. Desde o meu primeiro CD, Ithamara Ao Vivo (lançado em 1994), todos foram lançados primeiro no exterior e só bem depois chegaram ao Brasil.

Por que o Rio de Janeiro foi escolhido como palco para esse lançamento?
Ithamara Koorax: Porque eu amo cantar no Rio! Ainda mais nesta época do ano, janeiro, quando a cidade está repleta de turistas de outras cidades brasileiras. Minha estreia profissional aconteceu em janeiro de 1990, no antigo Rio Jazz Club. Depois eu abri sempre as temporadas do Mistura Fina e agora estarei celebrando 20 anos de carreira no Bar do Tom, um local que me recebe com muito carinho e tem uma estrutura de produção impecável, comandada pela Fafá Magna.
Há algum cantor que você tem vontade de formar uma parceria? Quem e por quê?
Ithamara Koorax: Tem sim, mas é uma parceria impossível, com o maior cantor de todos os tempos, Frank Sinatra...(risos) E se não for impossível, eu espero que ainda demore muitos anos pra gente se encontrar em outra dimensão.

Qual canção você sempre teve vontade de regravar e conseguiu? Ou há alguma que você ainda tem vontade de colocar em seu repertório?
Ithamara Koorax: Levo para o palco as músicas que eu gosto de cantar em casa. O meu CD de maior sucesso comercial, o Serenade in Blue, que vendeu mais de 250 mil cópias no mundo todo em 2000, tinha o subtítulo de My Favorite Songs exatamente por causa disso. Eram as minhas canções favoritas, tipo Dio Come Ti Amo, The Shadow of Your Smile, Un Homme et Une Femme, Moon River, Aquarela do Brasil, Mas Que Nada, Samba de Verão. Apesar de muito batidas, eu consegui dar a elas uma interpretação pessoal, diferente de todas as gravações existentes. Neste próximo show vou cantar várias músicas que eu adoro de paixão, mas que ainda não gravei, como Human Nature (lançada pelo Michael Jackson em Thriller), Got to Be Real (Cheryl Lynn), Never Can Say Goodbye (Gloria Gaynor), Smoke Gets In Your Eyes (The Platters). Tem uma música do João Gilberto, por exemplo, chamada Hoba-Lá-Lá, que é um bolero que eu canto nos shows há vinte anos, desde 1990, mas que eu só vim a gravar agora no Bim Bom em 2009.

Quais são seus ídolos?
Ithamara Koorax: Tom Jobim, Luiz Bonfá, Elis Regina, Barbra Streisand, Stellinha Egg, Baden Powell, Dorival Caymmi, Dave Brubeck e o Hermeto Pascoal, com quem aprendi que a música é universal.

Você também é compositora? Onde busca inspiração para escrever suas canções?
Ithamara Koorax: Componho raramente e, geralmente, por encomenda. A inspiração vem da pressão mesmo...(risos) E funciona! Agora mesmo fiz três músicas para um CD do guitarrista japonês Mamoru Morishita, uma para a banda italiana Gazzara, duas para a trilha de um filme inglês. Meu maior sucesso como compositora é uma música chamada O Passarinho, feita para a edição italiana do Big Brother. Esta música estourou nas rádios e depois nas pistas de dança em toda a Europa, recebendo nada menos que três remixes diferentes.
Você foi eleita pelo segundo ano consecutivo como uma das três melhores cantoras de jazz do mundo, pelos leitores das revistas Down Beat, Swing Journal e Jazz People. O que você acha que a fez merecedora ao lado de Diana Krall e Cassandra Wilson?
Ithamara Koorax: Adoro a Diana e a Cassandra, que souberam desenvolver estilos muito pessoais. Eu consegui criar uma "grife Ithamara Koorax de interpretação", que é facilmente identificável e o público internacional adora. Ao mesmo tempo, como disse um crítico da DownBeat, sou "deliciosamente imprevisível". Nunca fiz um disco igual ao outro. Num ano gravo um CD de jazz acústico, no outro faço um de hip-hop, depois me dedico a recriar a obra do Caymmi, agora gravei o songbook do João Gilberto e por aí vai. Sem falar que fui também a primeira pessoa a misturar bossa e batidas eletrônicas dançantes, usando samples e loops, como no CD Bossa Nova Meets Drum 'n' Bass, em 1998, quando ninguém nem sabia o que era drum & bass no Brasil. Gravei até Dave Brubeck em rap! Ninguém nunca sabe o que eu irei aprontar. Nem eu! (risos) E aí é que está a graça da história, porque gosto de aventura, quero sempre surpreender a mim mesma e ao público.

Você acha que falta a divulgação do jazz no Brasil para que novos talentos possam seguir esse estilo musical?
Ithamara Koorax: Falta tudo. Principalmente interesse e respeito da crítica musical pelos artistas, sejam cantores ou instrumentistas, que se dedicam a este estilo. Se a garotada vê pessoas como o Sergio Mendes, o Hermeto (Pascoal) e o Airto (Moreira) serem esculhambados o tempo inteiro, por que iria seguir os passos musicais dessas pessoas? Existem muitos novos talentos sendo desperdiçados porque querem agradar a crítica e se esquecem de agradar o público. E quem compra ingresso é o público.

Quais seus projetos para 2010? Fará turnês pelo Brasil e em outros países?
Ithamara Koorax: Claro! Depois das cinco semanas de shows no Bar do Tom em janeiro, viajo para uma nova turnê europeia em fevereiro, emendo com a Ásia e só volto ao Brasil em abril. Tenho shows marcados até para outubro! Mas, infelizmente, ainda é mais fácil fazer show na Inglaterra, França, Finlândia, Coreia e na Bulgária do que em Porto Alegre, Florianópolis ou Goiânia. Você acredita que eu já cantei duas vezes na Sérvia, mas nunca cantei em Belo Horizonte? É muito ridícula esta situação!